Desta vez é sério. Só espero que ela não tenha me abandonado
de vez. Não foi nem na calada da noite e não sem certas
advertências sutis, mas foi sorrateiramente. Ela se foi - como
acontece nos círculos mais refinados - mas não pretendo ir em
seu encalço. Pelo menos não no momento. Viveu comigo muitos
anos, proporcionando-me gratificantes momentos criativos, como
também serias dúvidas e expectativas, além do razoável. Mais
cedo ou mais tarde talvez ela volte. Em mais profunda ou rala
intensidade. Para mim ela sempre se comportou como um bom
vinho provençal que, quando muito, preenchia em parte a reduzida
capacidade do meu recipiente inspirador.
E agora ela se foi. Se, para sempre, passarei a viver como um
tronco ôco se decompondo. Continuo vivo, porém de olhar fixo no
vazio com a sensação de um peneu murcho; asfixiando com a
falta de ar e carente de rodar livremente. Estou quase que
perdido no meu labirinto cerebral. É uma sensação estranha;
como se a consciência estivesse sendo assediada pelo alter ego
que, em certas personalidades, procura encapsular as ondas
mentais a ponto de neutralizar as ações cognitivas e abrangentes
que caracterizam o individualismo.
Ela, que sempre foi caprichosa e rebuscada - na maioria
dos casos generosa - impunha, no entanto, profundo empenho à
inventiva e originalidade da criação intelectual.
Assim, abandonando-me, a VERVE deixa um agonizante vazio e o
sentimento de perda de uma inestimável amiga e insubstituível
companheira.
SORRATEIRAMENTE ©
A OPACIDADE CEREBRAL ©

Entre os leigos, em seus devaneios faz-de-conta, é conhecida
pelo nome de Desordem Neuro-Periferial-Exauro-Progressiva ou,
americanizando, para transformar a sindrome em mais confiavel,
de DNPE. Após a adolescência, pode aparecer em qualquer
idade, com maior ou menor intensidade. Pertence ao grupo das
doenças neurológicas que debilitam o tonus dos neurônios
localizados na zona frontal do cérebro, reponsáveis em especial
pela concentração e concatenação do raciocinio.
Esquematicamente analisando, um verdadeiro curto-cicuito de
cinzentas proporções. Não aparece em nenhum programa de
busca, pois é uma definição puramente especulativa e destituida
de corolario cientifico.

Com o esfôrço desmedido empregado pelo paciente em superar
a sensação de vácuo intelectual, a sindrome na maioria dos
casos acaba evoluindo para o que se conhece por
"Esgotamento Nervoso Extremo". Este estado soe exaurir a
capacidade criativa, acarretando a diminuição drástica das
atividades intelectuais e provocando, paralelamente, grande
depressão e queda de ânimo em geral. Entre outras, o paciente
sente dificuldade em ler mais do que uma ou duas paginas de um
livro ou jornal, falar no telefone, redigir, seguir com atenção o teor
de uma conversa, manter atividade sexual regular, instabilidade
caligrafica assim como  comportamento irascível e impaciente
com as pessoas ao seu redor.

No trabalho, a atividade produtiva pode cair em ate' 80% ou, em
geral, caso não haja interferência medica imediata, deteriorar
completamente.

O tratamento é prolongado, pois a maioria dos casos são
diagnosticados já em estado avançado. A terapia é na base de
remédios psicoativos de espectro abrangente, repouso,
relaxamento e mesmo de isolamento, de acôrdo com as
necessidades e reação do paciente.

Por isso, minha gente, peço a compreensão de todos. Ainda não
cheguei às vias de fato, mas vou diminuir ao mínimo a minha
atividade na Internet e assim que possível voltarei à carga
gradativamente.

Aconselho examinar a vossa condição emocional com um
psiquiatra autêntico e não levar muito a sério as explicações
medicas de araque desta crônica, escritas por alguém que se
considera e acha que todo internauta é um esgotado nervoso em
potencial.

alienado pacas [27/4/2013]
Salo Yakir

REFLEXÕES ALCALINAS