É VELHO QUEM SE CONSIDERA COMO TAL

Velho(a)... Fisicamente falando, é o corpo em contínua
transformação, que pode eventualmente atingir estado
fisiológico excelente, caso a pessoa tenha sido regrada e
praticado exercicios fisicos ao longo da vida. E' ter tudo que
queriamos ter quando adolescentes, só que sessenta anos mais
tarde.

Acêrca do homem, sob a avaliação feminina, até que existem
alguns sexagenários que ainda dão um bom caldo. Não os
astros de cinema ou celebridades cheias da nota, sem
mencionar os plasticamente recauchutados. Estes, a exemplo
de um Hugh Hefner da "Play Boy", costumam desfilar com
musas que poderiam ser em alguns casos suas netas, pois como
filhas os casos  já se tornaram lugar comum. São os dólares e os
diamantes acobertando a discrepância entre a alcova, a vaidade
fútil e a ganância das loiras gostosas e de cabeça ôca.

Mas "velho" não é só hipertensão ou amnésia. Com o avanço da
medicina, longe disso; tanto, que neste seculo a classificação da
terceira idade foi modernizada. Agora temos o idoso jovem
(60-70 anos) o idoso adolescente (70-80), o idoso adulto
(80-90) e o idoso ancião (acima dos 90).  Jamais se deve
entregar os pontos, ou cair na besteira de sentir-se
ultrapassado, peça de museu, parasita ou estôrvo para quem
quer que seja. Em contra partida, nunca intrometer-se nos
trambiques de âmbito familiar dos filhos, bancar o sabido, dar
palpites e conselhos - se sim, com moderação - a menos que
consultado. E, como aposentado, evitar fossilizar-se na poltrona
do papai, adormecido na frente da TV ou perambulando pela
casa. Preferível oferecer-se para ser o baibisiter dos netos ou o
comprador dos produtos caseiros no supermercado e os
remedios na farmacia.
Os idosos jovens, que ainda mantem folego razoavel, n
ão
temem incoveniencias como gravidez; alias n
ão têm nada temer,
afinal foram abençoados com a idade avançada e o jeito
é
desfrutar da boa vida.

Leitura, redação, gadgets eletrônicos, memorização de datas e
fatos históricos, telefones, senhas e nomes, clube de amigos,
jardinagem, passeios e viagens, internet, além de hobbies, são
atividades obrigatórias para os aposentados, pois desperta a
curiosidade, ativa os neurônios, conserva a memória  e impede
a intromissão mental daquele indesejado alemão; como é
mesmo o nome dele? Ah; Alzheimer! Um destacado médico
alemão de nome estapafúrdio que convém nunca lembrar...

Porém, não se deixem enganar. Memória é a atividade cerebral
do mais decisivo espectro prático na vida do dia-a-dia e  lapsos
estão sempre acontecendo, quer em jovens quer em idosos.
A amnésia temporária irá inevitavelmente ocorrer de maneira
periódica ao longo da vida e o fenômeno é conhecido por todos,
com maior ou menor incidência. O cerebro dos idosos é
vagaroso porque está tomado por um imenso cabedal de
conhecimentos, o que lhes toma tempo alem do razoavel para
faze-los aflorar. Por outro lado, esta vasta quantidade de
dados, segundo os cientistas, afeta a audição, pois exerce
demasiada pressão no mecanismo
interno do ouvido.

Exemplificar o esquecimento, de maneira característica,
é tomar como modêlo um môlho de chaves ou um óculos
deixados em algum canto da casa.

É o caso daquele sujeito sessentão plus que deixa as chaves em
cima de uma das prateleiras da sala e algumas horas depois
precisa do carro para sair. Entra na sala procurando pelas
chaves e nisso toca o telefone. Ao apressar-se em atender,
esbarra desastradamente na mesinha de centro derrubando
uma bandeja de salgadinhos que se esparramam sôbre o
tapete. É a espôsa, pedindo o telefone da farmacia, cujo
numero está na caderneta de endereços no criado
mudo do dormitório. E por ai avançam os incidentes em forma
de sindrome... O cara vai ver o número do telefone, mas ao
passar pela sala se depara com os salgadinhos no tapete, deixa
a mulher pendurada na linha e vai à procura da pá de lixo e da
vassoura... Demora, esquece da mulher, da limpêsa e do uso do
carro e fica plantado no meio da sala, a dois metros da
prateleira contendo as chaves,  matutando o que estaria
planejando fazer... Neste caso, ao que parece, a falha
de memoria age como mecanismo de compensação, pois obriga
o senior a
mover-se alem do que faria espontaneamente.
(Se o cara tivesse tido a prevensão de prender o môlho de
chaves em algum ponto de sua cintura ou usasse uma bôlsa com
etiqueta luminescente, o problema estaria resolvido e o
fantasma do alemão temporariamente afastado).
por Salo Yakir - Janeiro,2013 ©