As atividades terroristas por parte do Hamas e do Hizbolah são ciclicas e, apos cada
conflito com Israel, ligadas 'a reconstrução da sua infra estrutura de armamentos,
em especial misseis. Vira e mexe, estas organizações, que vivem 'a margem das
nações humanitariamente constituidas, procuram diversos pretextos para continuar
a lançar seus foguetes indiscriminadamente, dirigidos particularmente contra os
habitantes das cidades e dos assentamentos localizados no sul de Israel.

Ainda agora, em  junho de 2014, terroristas raptaram e assassinaram tres jovens
estudantes israelenses, provocando vasta rede de buscas cobrindo centenas de
quilometros no leste do pais desde Jerusalem ate' as aldeias
arabes do West Bank ao longo da fronteira Jordaniana. A operação incluiu grande
numero de soldados, que apos varios dias localizaram os restos mortais dos
rapazes. Tambem identificaram e aprisionaram diversos terroristas procurados
pelas autoridades, tendo, inclusive, demolido as residencias dos
raptores-criminosos suspeitos, que estão no momento forragidos.

Como sempre, valendo-se da volatil situação criada pelo impasse, a liderança do
Hamas, encrustada em Gaza, decidiu bombardear primeiramente o sul do pais,
situação que se extendeu para outras cidades, atingindo, inclusive, a região
"Dan" central de Israel, particularmente a cidade de Tel Aviv (16/7/2014).

Existem muitos fatores desconhecidos do publico, envolvendo a complexa
problematica entre os terroristas em geral e Israel, com a direta influencia da Siria,
Irã e outras organizações guerrilheiras.  
Na internet mesmo, pode-se encontrar um vasto material a respeito.

Um dos fatos predominantes e' que a imprensa internacional e o pro árabe Obama
empregam os seus vastos recursos para colocar um enorme ponto de interrogação
nas atividades defensivas de Israel, por eles qualificadas de "reação
desproporcional", quando este reage `as provocações dos terroristas em geral,
como esta' acontecendo agora. No processo, sofre a população civil palestina,
usada como escudo pelos covardes terroristas,(1) isso para cinicamente distorcer a
verdadeira tragedia, que em seu amago, e' a determina
ção dos extremistas em não
medir consequencias em seu intento da total destriuição do Estado Sionista.

Os USA se dizem aliados para o que der e vier, mas, no jogo sujo de interesses do
sub-mundo político internacional, tudo tem um preço. Os israelenses não nasceram
ontem e estão longe de ingênuos; portanto, em troca de muitos milhões (ou dizer
bilhões...) de dólares e fornecimento de armas ultrapassadas e outras prometidas,
tem assistido os americanos em vários projetos científico-militares, espaciais, alta
tecnologia e envio de cientistas para as suas importantes esferas de
desenvolvimento global.

Por exemplo, os americanos, ao constatarem o sucesso dos projetos balísticos de
defesa israelenses, o "Arrow" de longo alcance e o "Iron Dome" de curta e média
distancia, foram logo se fazendo sócios daqueles projetos, em troca de gordas
verbas e o fornecimento de determinados componentes usados no mecanismo de
propulsão de seus mísseis.

Graças ao seu extenso e sofisticado serviço de inteligência, Israel esta'
constantemente monitorando as atividades suspeitas dos terroristas, tanto em
Gaza, Jerusalem Oriental, Peninsula do Sinai, Siria, Libano, Irã, Iraque e Jordania.
Isso e' feito através de "drones" (aviões compactos sem piloto, dotados de camaras
altamente sensiveis - com capacidade de transportar armas disparadas por controle
remoto [também aqui os USA chuparam varias informações técnicas para os seus
próprios mini aviões]);  pelo novo e tecnicamente sofisticado satélite de
espionagem o "Ofek-10";  por sensíveis radares instalados ao longo do litoral e por
uma equipe altamente treinada de auscultadores eletrônicos (função desempenhada
por moças-soldado de unidades especiais) (2); cercas eletro-visuais nas fronteiras e
de informantes junto `as mesmas e outras posições estrategicas. O exercito e a
força aerea sabem exatamente o que, quando e onde atacar com a maxima precisão,
incluindo suspeitos individuais e veiculos em movimento.

A unica solução para Gaza, no meu entender, e' a radical. Invadir em massa aquele
covil  de terror, destruir todos os foguetes, escurraçar o Hamas e dar aos proprios
palestinos a incumbencia de elegerem seus dirigentes.  Ainda ha' pouco, o Hamas
rejeitou uma iniciativa de cessar fogo sob iniciativa do Egito, a qual, no entanto, foi
aceita por Israel; continua violando e tirando vantagem de todas as iniciativas de
cessar fogo, tanto por iniciativa do Secretario Geral americano, John Kerry e o
Secretario Geral da ONU, Ban Ki-moon.

O Hamas e' extremista fanatico e, segundo os acontecimentos do passado,
sua meta maior e' armar-se ate' os dentes para continuar seus ataques desatinados.
Apesar de responder `as provoca
ções com grande impacto, Israel tem se mostrado
politicamente maleavel. Entretanto, e' chegado o momento do ajuste de contas
abrangente. Um numero significativo de soldados e civis de Israel morreu desde e
mesmo antes da fundação do Estado e se resolveram nesta etapa invadir a Faixa de
Gaza (3), havera' tambem mortes de ambos os lados. [ Fato que ate' a data de
03/08/2014 foram mortos nos combates mais de 60 soldados da IDF].
Espera-se que aquelas valiosas vidas perdidas possam conduzir `a  erradicação do
mal pela raiz, para o beneficio tanto de Palestinos hoje oprimidos pelo Hamas
como de Israelenses.

(1) Seguindo a sua filosofia humanitaria, o governo israelense decidiu estabelecer
nas proximidades da fronteira de Gaza um posto de saude movel, composto de
unidade medica de urgencia e unidade traumo-cirurgica, com a finalidade de tratar
os civis palestinos feridos no conflito.

(2) Graças `a permanente prontidão desta unidade, foram frustadas tres tentativas
de terroristas
de cruzarem a fronteira, duas procedentes do mar e uma de um grupo
de 13, que usaram um dos muitos tuneis subterraneos que desembocam em
territorio israelense.

(3) Conforme avaliação estrategica do conflito, por decisão do alto comando das
forças armadas do pais, foi ordenada a penetração de forças armadas em Gaza,
( 22:00 de 17/7/2014) com o objetivo de neutralizar os misseis de la' disparados e as
dezenas de tuneis subterraneos ativados contra Israel

Atualização sobre o conflito

Apos 50 dias de conflito, intercalado por treguas de fogo estabelecidas por
iniciativa do Egito, foram finalmente interrompidos os ataques do Hamas e a
respectiva reação militar por parte do IDF. O saldo final de vidas foi elevado por
parte do Hamas e inocentes palestinos, estimado por volta de 1.500 mortos e igual
numero de feridos. Israel sofreu a perda total de 71 almas, entre elas 64 soldados e
mais de cem feridos.  
Espera-se para fins de Setembro o reinicio das negocia
ções no Egito, tendo em
vista discutir e decidir a respeito de um acordo final que satisfa
ça as exigencias por
parte do Hamas e dos Palestinos.
G  A  Z  A              Julho/2014