Crônica Relâmpago©





Céu enchumbado. Nuvens congestionadas.
Trovões. Raios e relâmpagos...

Desaba a tempestade. Violenta. Ventanias
desvairadas varrendo tudo em seu caminho. Até
José, no meio do cafezal,  jogado inerte pra dentro
da vala, enegrecido, carbonizado pelo raio que o
fulminara segundos antes.

Bonito o vendaval. As árvores lhe prestam
reverência. O pasto faisca sob as gotículas
cristalinas de suas lágrimas. O solo encharcado
exala o extravagante aroma de frescor; mas não
para José, que neste dia estaria retornando para o
que mais amava, a terra revolvida, que em algumas
horas mais o estaria abraçando para sempre.
por Salo Yakir - Janeiro, 2015