Caros amigos,  


                                              
O momento e' mais do que oportuno para uma explicação clara e balanceada da
ação de Israel junto ao navio turco "M.Marmara", que se dizia portador de "ajuda
humanitaria" `a Gaza. Este esclarecimento e' necessario, ainda que o publico e as
autoridades israelenses saibam, de longa data, que as artimanhas e as mentiras
utilizadas pelos palestinos e arabes extremistas ja' se tornaram  automaticamente
aceitas no mundo inteiro, incluindo o Brasil.

A operação de "ajuda humanitaria" aos palestinos não passou de uma manobra
provocativa, um eufemismo acobertando as verdadeiras intençoes do governo
tirano do "Hamas" em Gaza. A trama, comprovada pelos serviços de inteligencia
israelense, era - e continua sendo - o uso da chantagem emocional para a
abertura de uma rota maritima, com o intuito de estocar a maior parte dos
porões dos navios, veladamente,  não com produtos de primeira necessidade,
mas sim com misseis, foguetes, lançadores de morteiros e outros armamentos
em sua maioria iranianos.

Como se sabe, Israel sofreu durante sete anos consecutivos  bmbardeamentos
quase que diarios contra as cidades de Sderot, Ashkelon, Ashdot, Ofakim e
Ber-Sheva, alem das colonias agricolas e kibbutzim localizados ao longo da
fronteira de Gaza. Isso, seguindo-se a resolucão do governo israelense de
incumbir o exercito da desocupação de todos os israelenses que se
encontravam radicados em Gaza, ação de grande impacto em favor dos
palestinos, que lhes devolveu a total soberania da referida faixa territorial em
15 de Agosto de 2005. Pouco tempo depois, a FLP, liderada por Abu Mazen, foi
deposta da liderança em Gaza, quando subiu ao poder o confesso movimento
terrorista do Hamas.

Posteriormente, apos os anos de provocações empreendidas pelo Hamas, o
exercito israelense se viu pressionado a reagir, para frear os continuos
bombardeamentos na fronteira meridional do pais, empreendendo,
no inverno de 2008-2009 , uma ampla retaliação contra o Hamas.
Tambem naquela ocasião a maçica propaganda arabe deturpou os fatos,
pretendendo culpar os israelenses pelos eventos então registrados, quando na
verdade os terroristas do Hamas fizeram de escudo a população civil.  Cinica e
covardemente, dispararam seus foguetes e ataques contra os soldados israelenses
de dentro de casas, escolas e hospitais !!! [As provas encontram-se corroboradas
em filmes e fotos existentes nos arquivos dos serviços de segurança israelenses].

A explicação clara e justa da situação e' baseada nos seguintes fatos:

Ao contrario de todos os outros navios do comboio, que aceitaram pacificamente
se dirigir ao porto de Ashdod para verificação de sua carga, o unico no qual
houve o incidente com mortes foi o "M. Marmara", o navio lider de bandeira
turca, fretado por uma organização notoriamente ligada com o Irã, Al Quayda,
Hezbolla e Hamas, conduzindo deliberadamente violentos terroristas a bordo.

Para Israel, trata-se de uma questão de elevado interesse de segurança nacional
inspecionar todas as mercadorias destinadas a Gaza, pelos motivos explicados
acima. Ademais, o governo de Israel, antes dos navios partirem da Turquia,
declarou-se favoravel à ajuda humitaria, com a condição de acolher os navios
no porto israelense mais proximo. Após a devida checagem do conteudo, a
carga seria transferida à Gaza sem demora ou custo algum.

Ao se aproximarem do territorio maritimo israelense, os navios foram
informados amistosamente pelo radio de comunicaçoes para mudarem seu curso
ao porto de Ashdod. O único navio que se negou a ancorar no porto israelense foi
o "M.Marmara",  que precipitou os fatidicos acontecimentos já divulgados.

Os soldados não tiveram outra alternativa senão a de abordar o navio para
negociar. Imagens exibidas pela televisão mostram que os terroristas deste navio
receberam os soldados com golpes de bastões de ferro, tiros e facadas. Ao
contrario do que sustentam os  paises arabes e seus aliados, o exercito
israelense abordou o "M.Marmara" pacificamente. Só então, se uniram à luta
soldados-comandos, desta vez armados apropriadamente.

No choque que se seguiu à reação defensiva das forças israelenses, que abriu fogo
como ultimo recurso, foram mortos nove terroristas, enquanto que 7 soldados
israelenses ficaram gravemente feridos, um dos quais em perigo de vida.

Uma semana após o incidente, aproximou-se das aguas territoriais israelense o
navio de bandeira irlandesa, "Rachel Corrie", que optou,  pacificamente,  em
desembarcar sua carga humanitária no porto de Ashdot.

Esperemos que mais esta farsa contra Israel seja denunciada.

[por Salo Yakir, Israel]
O PROVOCATIVO "AUXILIO HUMANITARIO"
`A FAIXA DE GAZA - 01/06/2010
©